Administração contratual, nova contratualidade administrativa e contratos de parcerias: breves considerações acerca de alguns conceitos que integram uma nova terminologia trazida pela a doutrina administrativista contemporânea

Murilo/André Ruiz/Castro Ferro/Carvalho

Resumo


Resumo: Verificadas as polêmicas decorrentes de uma nova terminologia que surge ora para designar institutos potencialmente inéditos ora para manejar outros que já existem, este ensaio procura – por uma linha de raciocínio desenvolvida paralelamente à noção teórica de interesses públicos – encontrar parâmetros conceituais adequados para as expressões doutrinárias “administração contratual”, “nova contratualidade administrativa” e “contratos de parceria”, buscando traçar suas distinções conceituais e também – ainda que de forma sucinta – suas utilizações na prática da Administração Pública brasileira.


Palavras-chave


Palavras-chave: administração contratual; nova contratualidade administrativa; contratos de parceria; interesses públicos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Fernando Dias Menezes de. Contrato administrativo. São Paulo: Quartier Latin, 2012.

ANTUNES, Luís Filipe Colaço. A tutela dos interesses difusos em direito administrativo. Coimbra: Almedina, 1989.

ARIÑO ORTIZ, Gaspar. El retorno a lo privado: ante uma nueva encrucijada histórica. In (org.) Privatización y liberalización de servicios. Madrid: Universidad Autónoma de Madrid, 1999.

BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Curso de direito administrativo. São Paulo: Malheiros, 2011.

BINENBOJM, Gustavo. Uma teoria de direito administrativo: direitos fundamentais, democracia e constitucionalização. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.

CARVALHO, André Castro. As MIPs e os PMIs e sua situação atual no direito brasileiro. Informativo Direito Público e Cultura Jurídica. n. 66. sbdp. 23 out. 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2014.

DALLARI, Adílson Abreu. Parcerias em transporte público. In SUNDFELD, Carlos Ari (coord.). Parcerias público-privadas. São Paulo: Malheiros, 2005.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Interesse público na contratação das entidades da administração descentralizada. In Cadernos Fundap. São Paulo, ano 5, n° 16, jul./set. 1985.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Discricionariedade administrativa na Constituição de 1988. São Paulo: Atlas, 2007.

________. Parcerias na administração pública: concessão, permissão, franquia, terceirização, parceria público-privada e outras formas. São Paulo: Atlas, 2008.

GAUDIN, Jean-Pierre. Gouverner par contrat: l’action publique em question. Paris: Presses de Siences Politiques, 1999.

GIANNINI, Massimo Severo. Premissas sociológicas e históricas del derecho administrativo. Madrid: Instituto Nacional de Administración Pública, 1980.

GROTTI, Dinorá Adelaide Musetti. A experiência brasileira nas concessões de serviço público. In SUNDFELD, Carlos Ari (coord.). Parcerias público-privadas. São Paulo: Malheiros, 2005.

MARQUES NETO, Floriano Peixoto de Azevedo. As parcerias público-privadas no saneamento ambiental. In SUNDFELD, Carlos Ari (coord.). Parcerias público-privadas. São Paulo: Malheiros, 2005.

________. Discricionariedade administrativa e controle judicial da administração. In Processo civil e interesse público, organizado por Carlos Alberto de Salles. São Paulo: RT, 2003.

________. Do contrato administrativo à administração contratual. In Revista do Advogado. n° 107. São Paulo: Associação dos Advogados de São Paulo, 2009.

________. La moderna regulación: La búsqueda de un equilibrio entre lo público y lo privado. In: Juan Miguel de la Cuétera Martinez; José Luis Martinéz López-Muniz; Francisco J. Villar Rojas. (Org.). Derecho administrativo y regulación económica - liber amicorum Gaspar Ariño Ortiz. Madrid: La Ley, 2011.

________. Reajuste e revisão nas parcerias público-privadas. In SOUZA, Mariana Campos de. (coord.). Parceria público-privada: aspectos jurídicos interessantes. São Paulo: Quartier Latin, 2008.

________. Regulação estatal e interesses públicos. São Paulo: Malheiros, 2002.

MARRARA, Thiago. O princípio da publicidade: uma proposta de renovação. In MARRARA, Thiago (org.). Princípios de direito administrativo: legalidade, segurança jurídica, impessoalidade, publicidade, motivação, eficiência, moralidade, razoabilidade e interesse público. São Paulo: Atlas, 2012.

________. As fontes do Direito Administrativo e o Princípio da Legalidade. In DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella; RIBEIRO, Carlos Vinícius Alves. (coord.). Supremacia do interesse público e outros temas relevantes do direito administrativo. São Paulo: Atlas, 2010.

MEDAUAR, Odete. O direito administrativo em evolução. São Paulo: RT, 1992.

________. O florescimento de novas figuras contratuais. In Revista do Advogado. n° 107. São Paulo: Associação dos Advogados de São Paulo, 2009.

MODESTO, Paulo. Reforma do Estado, formas de prestação de serviços ao público e parcerias público-privadas: demarcando as fronteiras dos conceitos de serviço público, serviços de relevância pública e serviços de exploração econômica para as parcerias público-privadas. In Revista Eletrônica de Direito Administrativo Econômico. Salvador: Instituto de Direito Público da Bahia, n° 2, 2005. Disponível na internet: . Acesso em 12 de janeiro de 2013.

MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. O futuro das cláusulas exorbitantes nos contratos administrativos. In ARAGÃO, Alexandre Santos; MARQUES NETO, Floriano Peixoto de Azevedo (org.). Direito administrativo e seus novos paradigmas. Belo Horizonte: Fórum, 2008.

________. Quatro paradigmas do direito administrativo pós-moderno: legitimidade – finalidade – eficiência - resultados. Belo Horizonte: Fórum, 2008.

OLIVEIRA, Gustavo Justino de. A arbitragem e as parcerias público-privadas. In SUNDFELD, Carlos Ari (coord.). Parcerias público-privadas. São Paulo: Malheiros, 2005.

________. Estado contratual, direito ao desenvolvimento e parceria público-privada. In JUSTEN, Monica Spezia; TALAMINI, Eduardo (coord.). Parcerias público-privadas: um enfoque multidisciplinar. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.

________. A arbitragem e as parcerias público-privadas. In Direito administrativo democrático. Belo Horizonte: Fórum, 2010.

________.; SCHWANKA, Cristiane. A administração consensual como a nova face da administração pública no século XXI: fundamentos dogmáticos, formas de expressão e instrumentos de ação. In Direito administrativo democrático. Belo Horizonte: Fórum, 2010.

OLIVEIRA, Luiz Henrique Werneck de. Parcerias público-privadas: visões antagônicas, conflitos complexos, oportunidades pendentes. In JUSTEN, Monica Spezia; TALAMINI, Eduardo (coord.). Parcerias público-privadas: um enfoque multidisciplinar. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.

PINTO, Marcos Barbosa. Parcerias público-privadas: panorama da nova disciplina legislativa. In JUSTEN, Monica Spezia; TALAMINI, Eduardo (coord.). Parcerias público-privadas: um enfoque multidisciplinar. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.

PIZZORUSSO, Alessandro. Interesse pubblico e interessi pubblici. In Rivista Trismetrale di Diritto e Procedura Civile. Março de 1972.

SUNDFELD, Carlos Ari. Guia jurídico das parcerias público-privadas. In SUNDFELD, Carlos Ari (coord.). Parcerias público-privadas. São Paulo: Malheiros, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

ISSN 2359-3474